sexta-feira, 7 de junho de 2013

"MOINHO DE VENTO"




Moínho de vento, das velas desataviado,
Escorado e com um braço partido,
Foi  foi posto de lado, ignorado,
Caiu no olvido.

À distância, os aerogeradores
Ufanos da sua modernidade,
Arvoram-se em fornercedores,
De ecológica electricidade.


cajoco

Foto: cajoco



22 comentários:

  1. Olá amigo Jorge, são lindos os moinhos mas as novas tecnologias os deixam um pouco no esquecimento. O poema é lindo e a foto maravilhosa. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grato pelos elogios, que fazem sempre bem. Sâo estimulantes.

      Eliminar
  2. Interessante este encontro entre o novo e o velho.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  3. Olá amigo!
    Vai por aí tanta coisa ao abandono e a cair ...até mete dó! O dinheiro está caro ...e não abunda na bolsa da maioria das pessoas...infelizmente.Os moinhos fazem parte do nosso património...era necessário preservar., mas...
    Um abraço.
    M. Emília

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Felizmente existem há muitos moínhos recuperados. Fazem parte do nosso património cultural. É algo positivo apontar estas situações.

      Eliminar
  4. Oi Jorge
    Quase não vemos por aqui esses moinhos que acho tão lindos!
    bom registro
    Um bom sábado
    com abraço e carinho

    ResponderEliminar
  5. SEMPRE EVOLUINDO....NOVOS TEMPOS...NOVAS TECNOLOGIAS
    BFS
    ABRAÇO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo na vida está sujeito a mudança, a nós só resta a saudade...

      Eliminar
  6. Esta é uma foto maravilhosa do velho e do novo. Eu realmente gosto da maneira que você capturou a turbina de vento moderna em segundo plano.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os moinhos, George, fazem parte do imaginário da minha infância. Gostava de os ver trabalhar engalanados com as suas velas.

      Eliminar
  7. ¸.•°❤❤⊱彡

    Sei lá... virá um dia que eles voltaram... quando o planeta estiver entupido de lixo!...
    Bom fim de semana!
    Beijinhos do Brasil°º✿♫
    °º✿
    º° ✿♥ ♫° ·.
    ¸.•°✿✿⊱彡

    ResponderEliminar
  8. la economia portuguesa no éstá para gastar dinero en reparar viejos molinos.
    Los halagos que haces de las fantasias del viejo fotógrafo,están haciendo
    que mi ego aumente demaciado.
    Un fuerte abrazo desde Andalucia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O estado só confisca e cobra. Mecenas já não há, amigo Juan.
      As tuas fantasias tem todo o mérito e eu admiro-as sinceramente.

      Eliminar
  9. Los molinos de viento antiguos ganan en belleza a los modernos. La funcionalidad y el rendimiento de los modernos, nadie lo duda.

    Un beso

    http://ventanadefoto.blogspot.com.es/

    ResponderEliminar

  10. Lindo! Porque, à beira dos caminhos, as velas gastas do moinho nos darão sempre um recado!

    Beijo

    Laura

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seria um recado de agradecimento pela minha visita?

      Eliminar
  11. Dois tempos se cruzam, meu amigo, é a vida que segue...

    Beijinho e bom resto de feriado.

    ResponderEliminar
  12. HOLA JORGE: QUE CONTRASTE NOS HAS TRAÍDO.-
    QUE TIEMPOS Y AHORA CON EL MODERNISMO.-
    ABRAZOS

    ResponderEliminar
  13. Excelente fotografia de belo Moinho....
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  14. Olá, Jorge!

    Lindo post!
    Pedacinho da história aqui muito bem contado: por uma imagem com um feliz enquadramento, e mais um bonito poema como complemento.

    Dos moinhos de vento guardo boas memórias; o meu avô paterno tinha um, onde nós levávamos o milho para moer.E é triste vê-los morrer assim...

    Abraço amigo.
    Vitor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grato pela sua estimada opinião.
      Tudo na vida se degrada com o tempo.
      Concordo consigo quanto à reabilitação destas memórias afectivas, que são um valioso património comum.

      Eliminar